Potencial para viagens de gays e lésbicas

0

O mercado de viagens LGBT experimentou uma recuperação geral. Mas o turismo médico ignora gays e lésbicas.

Com a principal Associação Internacional de Viagem Gay e Lesbiana (IGLTA) e após o seu primeiro relatório em 2012, a Organização Mundial do Turismo (OMT) publicou um segundo relatório sobre o papel do mercado de viagens LGBT cada vez mais importante.

De acordo com o relatório, nos últimos anos, o mercado de viagens LGBT experimentou uma recuperação geral. Mas em 70 países ao redor do mundo, incluindo muitos dos principais serviços de turismo médico, a situação jurídica dos gays e lésbicas permanece muito precária e ainda há muito a ser feito em termos de educação.

De acordo com o operador turístico Virgin Holidays, dois terços da comunidade LGBT estão preocupados com sua segurança e discriminação quando viajam. É por isso que a empresa solicita aos seus parceiros comerciais que adotem uma abordagem aberta e igualitária em lidar com os viajantes LGBT.

Os viajantes LGBT querem receber uma verdadeira saudação como qualquer outro convidado. Eles querem se certificar de que são aceitos, podem ser eles próprios e se sentir seguros. O relatório diz que, independentemente da orientação sexual, muitos viajantes prestam muita atenção aos esforços de sustentabilidade de empresas, cidades e regiões ao escolher seus feriados.

De acordo com uma pesquisa da Deloitte de 8000 milênios em 29 países, 87% avaliam as empresas com uma atitude socialmente responsável. O relatório sublinha a importância das mídias sociais, que é fortemente inscrito pelos viajantes LGBT e é um meio rápido de comunicar qualquer comportamento discriminatório em regiões e cidades. As notícias positivas também podem ser rapidamente divulgadas e permanecem na memória coletiva.

De acordo com o relatório, as empresas que já abraçaram a diversidade, mas também operam em países onde os direitos das minorias ainda não são adequados, agora enfrentam um desafio. Isso diz respeito a grandes cadeias hoteleiras. Essas empresas devem defender seus princípios no mercado interno, ao mesmo tempo em que fornecem treinamento com funcionários correspondentes em outros países. Empresas como IBM, MasterCard e Google se juntaram a uma iniciativa chamada Open for Business, a fim de fornecer às regiões e países conselhos concretos sobre como abrir e, no médio prazo, criar uma sociedade mais tolerante.

Considerando que, há alguns anos, lugares como Mykonos e San Francisco foram os destinos de escolha para gays e lésbicas, agora não é mais fácil definir preferências de viagem LGBT. O mercado é bastante diversificado: jovens homossexuais estão descartando cada vez mais o rótulo “gay” e não mais se identificando de perto com ele. Em termos de suas demandas de viagem, os viajantes bissexuais são praticamente os mesmos que os heterossexuais e quase não se registram como uma categoria separada, dificultando a segmentação do mercado LGBT como um todo.

Os aplicativos também tiveram um impacto significativo na comunidade. Eles permitem que os viajantes se encaixem em áreas onde há poucos membros LGBT. Aplicativos e sites tornam possível fazer contato antes de viajar. Aqui novamente, o mercado é diversificado: os homossexuais estão mais inclinados a usar aplicativos do que lésbicas ou viajantes heterossexuais.

O mercado de viagens LGBT experimentou uma recuperação geral. Mas o turismo médico ignora gays e lésbicas.

Com a principal Associação Internacional de Viagem Gay e Lesbiana (IGLTA) e após o seu primeiro relatório em 2012, a Organização Mundial do Turismo (OMT) publicou um segundo relatório sobre o papel do mercado de viagens LGBT cada vez mais importante.

De acordo com o relatório, nos últimos anos, o mercado de viagens LGBT experimentou uma recuperação geral. Mas em 70 países ao redor do mundo, incluindo muitos dos principais serviços de turismo médico, a situação jurídica dos gays e lésbicas permanece muito precária e ainda há muito a ser feito em termos de educação.

De acordo com o operador turístico Virgin Holidays, dois terços da comunidade LGBT estão preocupados com sua segurança e discriminação quando viajam. É por isso que a empresa solicita aos seus parceiros comerciais que adotem uma abordagem aberta e igualitária em lidar com os viajantes LGBT.

Os viajantes LGBT querem receber uma verdadeira saudação como qualquer outro convidado. Eles querem se certificar de que são aceitos, podem ser eles próprios e se sentir seguros. O relatório diz que, independentemente da orientação sexual, muitos viajantes prestam muita atenção aos esforços de sustentabilidade de empresas, cidades e regiões ao escolher seus feriados.

De acordo com uma pesquisa da Deloitte de 8000 milênios em 29 países, 87% avaliam as empresas com uma atitude socialmente responsável. O relatório sublinha a importância das mídias sociais, que é fortemente inscrito pelos viajantes LGBT e é um meio rápido de comunicar qualquer comportamento discriminatório em regiões e cidades. As notícias positivas também podem ser rapidamente divulgadas e permanecem na memória coletiva.

De acordo com o relatório, as empresas que já abraçaram a diversidade, mas também operam em países onde os direitos das minorias ainda não são adequados, agora enfrentam um desafio. Isso diz respeito a grandes cadeias hoteleiras. Essas empresas devem defender seus princípios no mercado interno, ao mesmo tempo em que fornecem treinamento com funcionários correspondentes em outros países. Empresas como IBM, MasterCard e Google se juntaram a uma iniciativa chamada Open for Business, a fim de fornecer às regiões e países conselhos concretos sobre como abrir e, no médio prazo, criar uma sociedade mais tolerante.

Considerando que, há alguns anos, lugares como Mykonos e San Francisco foram os destinos de escolha para gays e lésbicas, agora não é mais fácil definir preferências de viagem LGBT. O mercado é bastante diversificado: jovens homossexuais estão descartando cada vez mais o rótulo “gay” e não mais se identificando de perto com ele. Em termos de suas demandas de viagem, os viajantes bissexuais são praticamente os mesmos que os heterossexuais e quase não se registram como uma categoria separada, dificultando a segmentação do mercado LGBT como um todo.

Os aplicativos também tiveram um impacto significativo na comunidade. Eles permitem que os viajantes se encaixem em áreas onde há poucos membros LGBT. Aplicativos e sites tornam possível fazer contato antes de viajar. Aqui novamente, o mercado é diversificado: os homossexuais estão mais inclinados a usar aplicativos do que lésbicas ou viajantes heterossexuais.

 

https://www.imtj.com/news/potential-gay-and-lesbian-travel/

Compartilhar.

Sobre o Autor

Comments are closed.