Sexta-feira, 28 de Abril de 2017
Adicionar a Favoritos RSS Facebook Linkedin Twitter Wordpress
   
Selecione abaixo:



Anuncie AQUI
Celebridades GLBT
ClicRN
Estadão
Folha on Line
Istoé
Jornal da Paraíba
Paradas gays - News
Portal de Picos
Portal Terra
Saúde
Ultimas Notícias
Outras notícias
Vizinhança faz recepção emocionante para casal gay que foi vítima de preconceito
Casamentos só sobem por causa das uniões gay
Novo filme de Paul Verhoeven será sobre freira lésbica
Livro: A dor me enfeita a face
PCP e Chechénia: “Good Bye Lenin!”

Manifestantes pedem ação contra perseguição a 'gays' na Chechénia

19/04/2017:

 

Centenas de pessoas concentraram-se hoje junto à embaixada da Rússia, em Lisboa, para contestar a "perseguição a homossexuais" na Chechénia e exigir às autoridades portuguesas uma "pressão internacional e diplomática" para exigir o respeito pelos direitos humanos.

 

 

Segundo os organizadores do protesto, convocado pelo movimento "Um 'Activismo' Por Dia", participaram cerca de 400 pessoas, entre as quais as deputadas do PS Isabel Moreira e do Bloco de Esquerda Isabel Pires e Sandra Cunha, além do candidato bloquista à Câmara de Lisboa, Ricardo Robles.

PUB

Os manifestantes empunhavam bandeiras com as cores do arco-íris, símbolo da comunidade LGBT (Lésbicas, 'Gays', Bissexuais e Transgénero), e cartazes onde se lia "Stop Homofobia", "Não à Violência" ou "Homofobia é Arma Letal", enquanto entoavam cânticos como "A nossa luta é todo o dia contra o machismo e a homofobia" ou "Tortura não, nem campos de concentração".

 

Alguns também exibiam cartazes com a imagem do Presidente russo, Vladimir Putin, maquilhado, cuja divulgação foi recentemente proibida pelo regime russo.

O reputado jornal russo Novaya Gazeta noticiou este mês que a polícia chechena prendeu mais de cem homens suspeitos de serem homossexuais e que pelo menos três destes foram mortos. As autoridades da Chechénia, uma república russa de maioria muçulmana, negaram, mas o alto-comissário para os Direitos Humanos das Nações Unidas incitou o Governo russo a investigar o caso.

Durante o protesto, João Miguel, um dos representantes da organização, leu uma carta aberta que pede "ação da Assembleia da República e do Presidente da República", Marcelo Rebelo de Sousa.

 

"Exortamos que, sendo Portugal signatário da Declaração Universal dos Direitos Humanos e perfilando umas das legislações mais respeitosas para com todas/os as/os indivíduos, faça pressão internacional e diplomática para que a dignidade humana seja respeitada", pedem os signatários do documento.

Em declarações à Lusa, João Miguel condenou o que disse ser um "ataque brutal aos direitos humanos" e que comparou à perseguição dos judeus durante o nazismo.

Várias organizações associaram-se ao protesto, entre as quais a UMAR, a Rede EX-Aequo, Por Todas Nós, ou a associação de estudantes da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa.

 

André Faria, da Rede Ex Aequo -- associação de jovens lgbti (lésbicas, 'gays', bissexuais, trans, intersexo) e apoiantes -, propôs que o Governo ofereça às vítimas de perseguição o estatuto de "asilo político com base na perseguição pela orientação sexual".

"Portugal, pelos avanços legislativos que tem feito, deve transmitir essa imagem, até para incentivar outros países a fazerem o mesmo. Estas pessoas estão a fugir para os países vizinhos", referiu.

 

O candidato do Bloco de Esquerda à Câmara de Lisboa, Ricardo Robles, considerou que os relatos de detenções e morte de homossexuais na Chechénia "é o pior do que assistimos no século XX".

"Os campos de concertação nazi foram os últimos campos onde a comunidade 'gay' foi detida e exterminada e não podemos deixar que este horror se repita", sustentou.

Isabel Moreira defendeu que está em causa um "retrocesso" em matéria de direitos humanos e denunciou o que disse ser uma apatia generalizada por se tratar de homossexuais.

 

A deputada socialista reclamou uma posição do secretário-geral das Nações Unidas, argumentando que se estivesse em causa uma perseguição a uma minoria étnica, o português António Guterres já se teria pronunciado.

 

 

 

https://www.noticiasaominuto.com/pais/778283/manifestantes-pedem-acao-contra-perseguicao-a-gays-na-chechenia


 

 

 

Comente esta matéria
Título: Manifestantes pedem ação contra perseguição a 'gays' na Chechénia
Seu nome:
Seu Estado:
Seu e-mail:
Comentário:
Segurança: Confirme o código:
OBS.: Nos reservamos o direito de deletar toda e qualquer mensagem contendo palavões, baixarias ou até mesmo termos homofóbicos. Favor respeitar as devidas fontes de cada matéria.
Comentários
Não há comentários.