Adicionar a Favoritos RSS Facebook Linkedin Twitter Wordpress
   
Selecione abaixo:



Anuncie AQUI
Celebridades GLBT
ClicRN
Estadão
Folha on Line
Istoé
Jornal da Paraíba
Paradas gays - News
Portal de Picos
Portal Terra
Saúde
Ultimas Notícias
Outras notícias
STF vota fim da proibição de doação de sangue por homossexuais
Jovem é agredido e ameaçado de morte, em festa, por ser homossexual
Dragon Ball Super: Elenco fala sobre possibilidade de Whis e Bills serem gays
Doação de sangue e o Supremo: saúde e igualdade
Frota perde ação, diz que juiz é do movimento gay e “julgou com a bunda”

70% dos fundadores da Rede defendem união gay e legalização da maconha

18/07/2013:

 

TNOnline FolhaPress

 

Por Paulo Gama


SÃO PAULO, SP, 17 de julho (Folhapress) - A ex-senadora Marina Silva afirmou hoje que "pelo menos 70%" da Rede, partido que tenta criar, é favorável à descriminalização do aborto, à legalização da maconha e à união civil entre pessoas do mesmo sexo.


"Do ponto de vista dos temas levantados --maconha, aborto e dos temas de comportamento-- a Rede tem mais ou menos 350 fundadores, eu posso te dizer que pelo menos 70% deles são a favor dessas bandeiras que estão aqui. A favor literalmente falando", afirmou Marina, ao ser questionada sobre os temas pela plateia de um debate em São Paulo.


Evangélica, Marina defende a extensão dos direitos civis a casais homossexuais. Na campanha pela Presidência em 2010, defendeu a realização de plebiscitos sobre a descriminalização do aborto e da maconha.


Ontem, a ex-senadora afirmou ainda que a porcentagem dos favoráveis às bandeiras deve se repetir em outras instâncias do partido, como a direção nacional e o colegiado executivo.
"O que tem aqui dentro da Rede é a tolerância com aqueles que têm um pensamento diferente. E que não concordam que seja porque sejam conservadores. É porque são pontos de vista que envolvem aspectos filosóficos, morais, religiosos, de várias naturezas, que faz parte da diversidade."


Ela elencou ainda como pontos que unem os militantes da Rede o "respeito à diferença", "a questão da sustentabilidade" e "a busca por uma nova ferramenta que seja capaz de dialogar com essas mudanças que estão acontecendo".


"E a Rede tem uma conformação que antes das manifestações já buscava esses caminhos e agora tem muito mais razão, porque aquilo que era apenas uma intuição agora se revela algo que de fato tem um rebatimento na realidade", concluiu.

 

 

Comente esta matéria
Título: 70% dos fundadores da Rede defendem união gay e legalização da maconha
Seu nome:
Seu Estado:
Seu e-mail:
Comentário:
Segurança: Confirme o código:
OBS.: Nos reservamos o direito de deletar toda e qualquer mensagem contendo palavões, baixarias ou até mesmo termos homofóbicos. Favor respeitar as devidas fontes de cada matéria.
Comentários
Não há comentários.