Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017
Adicionar a Favoritos RSS Facebook Linkedin Twitter Wordpress
   
Selecione abaixo:



Anuncie AQUI
Celebridades GLBT
ClicRN
Estadão
Folha on Line
Istoé
Jornal da Paraíba
Paradas gays - News
Portal de Picos
Portal Terra
Saúde
Ultimas Notícias
Outras notícias
Primeira antologia de poemas gays do Brasil
Igreja vai investigar se candidatos a padres são gays ou pedófilos
“Me sentia um homem gay”, revela Cleo Pires em novo vídeo
UNALGBT: Dois anos fortalecendo a luta LGBT e contra o retrocesso
Programa Transcidadania-JP recruta profissionais travestis, homens e mulheres

Portugal: Até há poucos anos mulheres homossexuais eram algemadas

08/10/2008:

 

Inibidas de contactar com outras reclusas, punidas e humilhadas pelas guardas. Segundo o criminalista Barra da Costa, esta era a realidade, até há cerca de 10 anos, vivida pelas mulheres homossexuais nas prisões.

"As lésbicas chegavam a ser algemadas. Eram cenas vexatórias. Aos gays tiravam-lhes o cinto das calças", explica o ex-inspector da Polícia Judiciária. "As cadeias reflectem o que se passa cá fora e depois têm um código de conduta próprio que, apesar de não cair no exagero da tortura, passa por colocar essa pessoa em isolamento", frisa, garantindo que uma diferente orientação sexual dentro das cadeias continua a ser encarada do ponto de vista disciplinar.

"As estórias por trás das grades" dão as boas vindas aos que entram no"aoutrafacedetires.blogspot.com", criado por amigos das reclusas de Tires que têm, nas funcionárias da cadeia e em "pessoas próximas da anterior direcção" da cadeia, as fontes de informação do que se passa no EPT. Estão em silêncio há alguns meses mas denúncias ali não faltam.

Apesar do mundo virtual, a ACED é a receptora de muitas denúncias de detidos. A associação que, com a Opus Gay, em Janeiro de 2002 divulgou o suicídio de um gay detido no Linhó. O jovem recluso queixou-se à DGSP, ao director da prisão e à PJ, ser espancado por dois guardas. Dias depois do ocorrido, em declarações ao JN, Clara Gomes, da DGSP, considerava: "o jovem era desprezado por ser ostensivamente homossexual. Era um rapaz frágil, ligado ao espiritismo. Era um provocador".

Jornal de Notícias

 

Comente esta matéria
Título: Portugal: Até há poucos anos mulheres homossexuais eram algemadas
Seu nome:
Seu Estado:
Seu e-mail:
Comentário:
Segurança: Confirme o código:
OBS.: Nos reservamos o direito de deletar toda e qualquer mensagem contendo palavões, baixarias ou até mesmo termos homofóbicos. Favor respeitar as devidas fontes de cada matéria.
Comentários
Não há comentários.