Quinta-feira, 28 de Agosto de 2014
Adicionar a Favoritos RSS Facebook Linkedin Twitter Wordpress
   
Selecione abaixo:



Anuncie AQUI
Celebridades GLBT
ClicRN
Estadão
Folha on Line
Istoé
Jornal da Paraíba
Paradas gays - News
Portal de Picos
Portal Terra
Saúde
Ultimas Notícias
Outras notícias
Império: Téo publica foto de beijo, e Enrico descobre que o pai é gay
Pesquisa diz que Europa é lugar mais acolhedor para homossexuais
Casais gays podem se inscrever para casamento coletivo em Uberlândia
Classificação etária elevada de drama gay gera polêmica nos EUA
Espanha quer atrair turistas gays brasileiros

'Há uma ditadura gay no Brasil'

23/07/2007:

Cláudia Feliz

A psicóloga carioca Rozangela Justino desenvolve um trabalho no mínimo polêmico, especialmente para o seu meio profissional. Ela preside a Associação de Apoio ao Ser Humano e à Família (Abraceh), uma ONG cujo objetivo é apoiar pessoas que voluntariamente desejam deixar a homossexualidade. Diz que a Abraceh surgiu para contrapor a ação de ativistas do movimento pró-homossexualismo, que segundo ela vem ocorrendo no Brasil. Por causa da sua atuação, Rozangela Justino, que concedeu esta entrevista por e-mail, é alvo de três processos éticos em tramitação no Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro.

Como a Abraceh funciona? Qual o perfil das pessoas por ela atendidas?
A Abraceh oferece grupo de apoio, de mútua ajuda e conforto espiritual para os seus apoiados. Tal rede deve ser composta por amigos, parentes, igrejas, profissionais e grupos de apoio.

Como psicóloga, a senhora aprendeu que a sexualidade faz parte da identidade do sujeito, e assim deve ser compreendida na sua totalidade. Em que essa orientação se confronta com a sua formação cristã?
Na Abraceh não estou na função de psicóloga. Mas não há qualquer confronto da minha profissão com a minha religião. Deus é o senhor de todo o conhecimento. Quando a ciência chega a uma verdade é porque ela está de acordo com as orientações de Deus. A psicologia é a ciência do comportamento humano. A minha abordagem profissional é a linha existencialista, com formação em psicodrama. Concebo o homem como um ser bio-psico-sócio-cultural-espiritual. O homem faz parte da criação de Deus, e sua identidade sexual foi criada por ele, potencialmente heterossexual.

A rede de apoio visa a favorecer o retorno à origem?
Se por algumas razões o homem desenvolve a homossexualidade ou apresenta outros transtornos ligados à sexualidade ele pode mudar, conforme a sua motivação. Se tiver uma rede para apoiá-lo será mais confortável para ele efetivar a mudança que desejar.

Há pastores que citam trechos bíblicos para afirmar que o homossexualismo é uma forma de pecado. É assim que a senhora pensa?
A homossexualidade é considerada pecado, segundo as Escrituras Sagradas. Na Abraceh não nos preocupamos com a sexualidade propriamente dita, pois quando a pessoa nos procura ela já apresenta a preocupação com a sua orientação sexual, e não é necessário nos preocuparmos também. O que fazemos é acolher a pessoa e ajudá-la a entender o porquê de ter desenvolvido a homossexualidade, seus sentimentos com relação às diversas cenas de sua vida.

Como a senhora define a homossexualidade?
É a atração sexual que uma pessoa sente por outra do mesmo sexo, normalmente derivada de fatores multicausais. Uma das principais causas é abuso sexual sofrido na infância e/ou adolescência. Se o abuso sexual foi cometido por pessoas do sexo oposto, numa idade em que a criança ainda não estava física e nem emocionalmente pronta para qualquer apelo sexual, esta poderá desenvolver aversão pelo sexo oposto na vida adulta. Se foi por pessoa do mesmo sexo, e ela não pode impedir o prazer do contato físico, pode ter a ilusão de que nasceu para sentir prazer por pessoas do mesmo sexo, criando confusão na sua orientação sexual, acabando por fixar-se em fases remotas do seu desenvolvimento psicossexual.

Por que a senhora afirma que há um movimento no país pró-homossexualismo?
É só olharmos para a mídia que vemos como ela veicula informações que favorecem o movimento pró-homosexualismo, estimulando pessoas a praticar a homossexualidade como se fosse natural. A Ilga, a associação internacional de gays e lésbicas, sediada na Noruega, tem se ramificado por todo o mundo, e as instituições pró-homossexualismo brasileiras são associadas a ela. O Brasil foi escolhido como palco para o movimento pró-homossexualismo neste momento da história, tendo apresentado pela terceira vez, na ONU, uma resolução pró-homossexualismo. O Brasil não está preocupado com a fome, com a saúde, com a educação, e nem com os altos índices de abuso e exploração sexual contra a criança e o adolescente. Está preocupado com a liberação sexual, ou seja, com a liberação de todas as formas de expressão sexual. Diversos autores e instituições afirmam que a Ilga tem um acordo com a Nambla, associação americana de amor entre homens e meninos. Em países onde as leis pró-homossexualismo
já avançaram encontram-se as reivindicações inclusive de partidos políticos pedófilos.

Resolução do Conselho Federal de Psicologia proíbe profissionais da área a divulgarem tratamento e cura do homossexualismo, sob a argumentação de que homossexualismo não é doença e nem uma opção. Mas a senhora diz que é possível resgatar a heterossexualidade em quem se dispõe a deixar de ser homossexual. Como? Quais os fundamentos científicos da abordagem que a senhora utiliza e aplica?
Em primeiro lugar, o ser humano não nasce homossexual. O Conselho de Psicologia criou uma norma comprometida com as teorias do movimento da desconstrução social, o Queer. Todas as escolas de psicologia consideram a homossexualidade uma imaturidade no desenvolvimento psicossexual, e a psicanálise declara ser a homossexualidade uma perversão. A homossexualidade parece ser derivada das relações, de vínculos estabelecidos das pessoas que desenvolveram este comportamento com outras que compõem a sua matriz de identidade. Mas o Conselho de Psicologia não afirma que proíbe psicólogos de apoiarem pessoas que desejam deixar a homossexualidade, embora esteja comprometido com este movimento desconstrutor social.

Como se comporta um ex-gay? Ele deixa de ter desejo pelo mesmo sexo?
Eu não chamo a pessoa de ex-gay, e nem de gay. Ela é um ser humano que esteve no estado homossexual e que abandonou esse estado. Ela não deixou de ser gay porque também nunca foi. Há pessoas que deixam o comportamento homossexual, outras, além do comportamento deixam os desejos homossexuais. E há as que além de deixar o comportamento homossexual e os desejos homossexuais conseguem resgatar a sua heterossexualidade. Depende de cada pessoa e do tempo interno de cada uma, especialmente da sua motivação para efetivar as mudanças que ela mesma deseja.

Todos os homossexuais realmente sofreram abuso? Como a senhora vê a posição científica que define homossexualismo, bissexualismo ou heterossexualismo como orientação sexual?
100% das pessoas que conheço que desenvolveram a homossexualidade sofreram abusos sexuais. É fato que o abuso sexual contra a criança e o adolescente pode levar pessoas à homossexualidade, e as estatísticas mostram que 50% das pessoas que sofreram abusos sexuais tornam-se autoras de abusos sexuais. Este é o grande risco de apoiarmos movimentos sociais que visam à liberação sexual e à homossexualidade. A pessoa pode se estranhar com a orientação sexual homo ou bissexual. A heterossexualidade é o padrão, já que o ser humano é um ser criado por Deus e ele não tem uma forma para gerar homossexuais. Tanto a homossexualidade quanto a bissexualidade podem ser estados passageiros, passíveis de mudança, conforme a motivação daquele que se estranham com desejos homossexuais. Tenho declarado que o movimento ativista pró-homossexualismo tem gerado uma doença social, o que chamo também de Complexo de Gabriela, já que proclama a inverdade de que pessoas nascem, crescem e vão estar
sempre homossexuais.

A senhora é alvo de processo ético aberto pelo Conselho de Psicologia do Rio de Janeiro devido à sua posição, vista como contrária à Resolução 01/99. Qual o estágio atual desse processo?
Existem organizações estrangeiras poderosas que estão financiando as instituições brasileiras para promoverem a liberação sexual no Brasil. Embora esteja respaldada pela Declaração de Direitos Humanos e pela Constituição Federal, que me garantem a liberdade de expressão, científica, de ir e vir e outras, não posso negar que está havendo uma ditadura gay no Brasil, que tem ferido os direitos constitucionais, humanos, e sabotado o direito das crianças e dos adolescentes. O Movimento da Desconstrução Social Queer visa ao caos social. Não há lógica, mas o prazer no descontrole social, no transformar o certo em errado e fazer as pessoas acreditarem que o errado é certo. Eu tenho respaldo científico para apoiar pessoas que voluntariamente desejam deixar a homossexualidade, além do respaldo legal, mas está sendo considerado errado se utilizar deste conhecimento, o desconstrutor social é o imposto.

Como é para a senhora lidar com o seus colegas, no seu meio profissional?
Sou respeitada pelos colegas que me acham corajosa.

Como a senhora vê o Projeto de Lei Complementar 122/2006, que criminaliza a homofobia?
Ele foi gerado para criar o caos social, pois ele não somente vai atingir os profissionais e igrejas, como também à dona de casa, o empresário, o professor, a sociedade como um todo, e trará sérios prejuízos para as próprias pessoas que vivenciam a homossexualidade. Além de criar o delito de opinião, uma aberração constitucional, com a aprovação deste PLC uma pessoa poderá dizer para o seu patrão que ele a está discriminando por sua orientação sexual, para obrigá-lo a indenizá-lo ou mantê-lo no emprego. E ainda mandá-lo para a cadeia. Ninguém vai querer ter uma pessoa que vivencia a homossexualidade por perto. As relações vão perder a espontaneidade, todos serão obrigados a tratá-la como bibelô, intocável. É isso que o Queer faz: distorce, desconstrói, destrói o ser humano.

Entre a ciência e a fé

Evangélica. A psicóloga Rozangela Justino tem 48 anos, é solteira, não tem filhos, e nasceu em Niterói, no Rio de Janeiro. Graduou-se em Psicologia em 1981, pela Faculdade Celso Lisboa. É especialista em Psicologia Clínica e Escolar. Evangélica desde 1983, Rozangela é membro da Igreja Presbiteriana Betânia de Icaraí, em Niterói. Fundou e preside a ONG Associação de Apoio ao ser Humano e à Família (Abraceh).

"É só olharmos para a mídia que vemos como ela veicula informações que favorecem o movimento pró-homosexualismo, estimulando pessoas a praticar a homossexualidade como se fosse natural"

"Existem organizações estrangeiras poderosas que estão financiando as instituições brasileiras para promoverem a liberação sexual no Brasil. O Movimento Queer visa ao caos social"

Eles dizem por que mudar
"Percebi que buscava a figura paterna que meu pai não foi"

"Eu queria superar as marcas que o abuso sexual me deixara por meio de outros homens, que me usaram"

"Acredito sinceramente que nunca seria feliz na vida gay, e estou seguro de que a mudança é possível. Isso me motiva a buscá-la"

"Quero lidar com homens de forma não-erotizada. Estive no caminho erotizado por muito tempo e nunca encontrei o que de fato procurava. Agora que tenho amizades masculinas realmente saudáveis e estou tendo minhas necessidades preenchidas, sou muito mais feliz que em qualquer outra fase da vida"

"Sempre que satisfazia estes sentimentos ou comportamento, parecia tremendamente errado, falso e autodestrutivo"

"Quero ser conforme o sexo que Deus me deu, alcançar a masculinidade e ser um homem completo"

"Quero sentir, pensar, olhar, agir, ser e viver a masculinidade genuína, conforme a semelhança e imagem de Deus"

"Tendo saído da homossexualidade, percebi que foi substituir algo falho por um senso seguro de identidade masculina"

Fonte: Pesquisa de opinião citada no site da Abraceh (www.abraceh.org.br), creditada à People Can Change, uma organização de homens que deixaram a homossexualidade

Gazeta on line

 

Comente esta matéria
Título: 'Há uma ditadura gay no Brasil'
Seu nome:
Seu Estado:
Seu e-mail:
Comentário:
Segurança: Confirme o código:
OBS.: Nos reservamos o direito de deletar toda e qualquer mensagem contendo palavões, baixarias ou até mesmo termos homofóbicos. Favor respeitar as devidas fontes de cada matéria.
Comentários
11/07/2009 16:19: geniel da silva gomes - GO
gostaria de saber se existe trabalho que ajuda pessoas sair da hpmossexualidade em goiania.