Adicionar a Favoritos RSS Facebook Linkedin Twitter Wordpress
   
Selecione abaixo:



Anuncie AQUI
Celebridades GLBT
ClicRN
Estadão
Folha on Line
Istoé
Jornal da Paraíba
Paradas gays - News
Portal de Picos
Portal Terra
Saúde
Ultimas Notícias
Outras notícias
STF vota fim da proibição de doação de sangue por homossexuais
Jovem é agredido e ameaçado de morte, em festa, por ser homossexual
Dragon Ball Super: Elenco fala sobre possibilidade de Whis e Bills serem gays
Doação de sangue e o Supremo: saúde e igualdade
Frota perde ação, diz que juiz é do movimento gay e “julgou com a bunda”

"Os políticos estão a sair do armário"

09/01/2007:

Por Margot Cardoso

                                                

Este psicólogo brasileiro acha que os políticos que se assumem como homossexuais ajudam a aumentar a tolerância da sociedade e combatem a discriminação. E considera que todos os homossexuais devem poder casar e adoptar crianças

 

Quando começou a atender homossexuais, João Batista Pedrosa  procurou apoio de um especialista, mas não conseguiu. Tentou encontrar livros específicos e concluiu que pouco ou nada havia sobre o tema. Então resolveu desbravar este caminho. Hoje, diz que o principal objectivo dos homossexuais quando procuram ajuda é viver sem culpa nem vergonha sua sexualidade. Mas não é fácil. Além da auto-aceitação, o princípio de tudo, ainda têm de combater os preconceitos  da  sociedade. Ao fim de quatro anos de  investigação e 52 atendimentos a homossexuais,  decidiu juntar os seus conhecimentos em livro - Segundo Desejo, lançado recentemente no Brasil. A obra, recomendada  a pais, educadores e profissionais da saúde, pretende sobretudo combater uma das principais causas do preconceito contra o homossexual: a falta de conhecimento.

  

Quem são os seus clientes e que tipo de ajuda eles procuram?

São os que sofrem por não aceitarem a sua própria homossexualidade. O meu trabalho é fazer com que deixem de ter problemas com sua orientação sexual, para que  sejam felizes, vivendo sem culpa ou vergonha. 

 

Como é que o gay lida com a descoberta da sua homossexualidade?

A primeira etapa é a total negação da homossexualidade, o receio da descoberta  faz com que muitos se envolvam em relacionamentos heterossexuais.  A segunda fase é a dissimulação tendo um relacionamento homossexual  clandestino,  uma "vida dupla" e muito medo da descoberta e da punição. A seguir vem a resignação, em que o indivíduo fica na semiclandestinidade, estabelece uma ligação estável com um parceiro que apresenta a  um grupo restrito de amigos. A homossexualidade é reforçada positivamente, mas a sua grande preocupação é não ser descoberto por amigos, familiares e colegas. Evita falar da sua homossexualidade, não nega nem assume publicamente e frequenta lugares públicos típicos da comunidade homossexual. Por último é a aceitação, revelando publicamente a sua orientação, tendo orgulho de ser homossexual. 

 

Muitas vezes os problemas começam logo com a família. Como é que os pais podem aceitar a homossexualidade dos filhos?

O ponto de partida é a sensibilização. Os pais têm que se autoquestionar, de rever valores e de se  informar o mais possível. Depois vem o diálogo, onde se quebra a grande barreira. Para o homossexual é um momento muito importante, pois passa a contar com os pais. A seguir é o acompanhamento, em que os pais devem demonstrar interesse pela vida social, escolar e afectiva do filho. Devem estimulá-lo a ter uma profissão, a ser independente e, sobretudo, devem estar disponíveis para o acolher. 

 

Muitos dos seus clientes querem casar-se e adoptar crianças? É a favor?

Apoio totalmente. Se o indivíduo se harmonizar com a sua homossexualidade, poderá formar uma família e adoptar um filho ou fazer uma inseminação artificial. Cerca de 1% dos gays e 15% das lésbicas na Europa adoptaram filhos. 

 

Porque é que há cada vez mais políticos a assumir a sua homossexualidade? 

Nos anos 90, era impensável um político assumir publicamente a sua orientação homossexual. Seria isolado e não se reelegeria. Actualmente, muitos políticos, em particular,  na Europa e Estados Unidos estão a sair do armário.  Penso que é muito bom, faz com que as pessoas fiquem mais tolerantes com os homossexuais e os políticos  serão avaliados, não pela sua orientação sexual, mas pela sua competência.

 

Houve muita evolução no conceito de homossexual?

Houve conquistas a partir de 1980 no Ocidente,  maior visibilidade para a homossexualidade, avanço na legislação e maior aceitação.

 

A homossexualidade sempre existiu da mesma forma que a conhecemos hoje?

O primeiro registro histórico da homossexualidade foi encontrado em 1853 por arqueólogos britânicos, em Nínive,  no Norte do Iraque. Os escritos, de 2.000 anos a.C. mencionam a afeição entre pessoas do mesmo sexo. A  manifestação da homossexualidade tem sofrido variações ao longo da História . A novidade é que se tornou mais visível nos últimos 50 anos  e a sociedade começou a reconhecê-la como algo natural. Deixou de ser considerada pecado, crime ou doença por várias culturas, apesar de as  grandes religiões continuarem a punir sua manifestação.

 

Qual é a melhor forma para o homossexual lidar com o preconceito?

Deve combatê-lo e fazer uso das leis que o protegem. Desenvolver o autoconhecimento, amparar-se em grupos, frequentar lugares homo são boas estratégias de defesa, usadas no processo terapêutico.

 

Como é que explica que também haja discriminação entre eles?

A homossexualidade continua a ser condenada pela socialmente. Quando os mais efeminados revelam claramente a sua homossexualidade, os gays que ainda estão dentro do armário, ou são mais discretos, ficam incomodados e tentam isolar os outros socialmente.

 

Em que países é que há mais perseguição?

Segundo registro da  Amnistia Internacional em 28 de Junho de 2004, há 70 países que perseguem homossexuais e transexuais com base na legislação. A maior perseguição ocorre nos países muçulmanos.  As punições são: multa, castigos corporais, prisão perpétua e trabalhos forçados e há países que aplicam a pena de morte.  Mas continua a haver muita discriminação. Por exemplo, o Brasil é campeão mundial  em mortes de homossexuais. Em 2005 foram assassinados 85, no México 35, e nos EUA 25.

 

A homossexualidade é genética?

Há pesquisas que indicam que as estruturas cerebrais são diferentes nos heterossexuais, outras  apontam a possibilidade de existir um gene, o Xq 28, responsável pela orientação sexual homossexual, transmitido pela mãe. Já foi registrada a  homossexualidade em espécies animais: elefantes, insectos, aves ou golfinhos. Coloca-se ainda a hipótese de a homossexualidade ter a função de regular o controlo populacional nas espécies.  Por isso existe há milhares de anos. Caso não tivesse uma função, teria desaparecido naturalmente. Mas nada foi comprovado e há poucos estudos sobre o assunto.

 

Porque é que muitas vezes os homossexuais têm uma mulher como melhor amiga?

As mulheres são menos punitivas em relação à homossexualidade e, como não há interesse sexual, sentem-se mais seguras para contar os seus segredos aos amigos que são gays. Como eles têm a visão masculina, é interessante para elas consolidarem uma amizade com um gay.

 

Mas muitas vezes as melhores amigas são sempre  mulheres bonitas? 

Por que as mulheres bonitas são vaidosas e gostam de se cuidar como eles.  O cuidado com o corpo, a roupa, a aparência física é muito valorizado na cultura gay. Daí muitas mulheres bonitas gostarem de ter como melhor amigo um gay, pois este valoriza a sua beleza, reforçando a sua auto-estima.

 

Ou seja os interesses comuns como moda, estética e beleza também reforçam esta amizade?

Sim. Mas não podemos generalizar. Há gays que têm com as mulheres interesses comuns e há outros muito masculinizados que gostam de moda, estética e beleza, mas numa perspectiva do que se chama na cultura gay, macho man. Assim como há gays que se interessam por automobilismo ou desporto.

 

Um gay pode apaixonar-se por uma mulher?
Apenas dentro de um contexto de admiração não no sentido sexual, pois um homem gay tem a sua orientação sexual direccionada para uma pessoa do mesmo sexo. Logo seu afecto e as reações biológicas e fisiológicas do seu corpo são direccionada para outro homem.

 

João Batista  Pedrosa CRP - 06/31768-3 Psicólogo e Terapeuta Sexual, trata das várias disfunções sexuais masculinas e femininas. É especializado no atendimento de homossexuais. e-mail pedrosa@syntony.com

website www.syntony.com.br

 

Livro SEGUNDO DESEJO

(João Batista Pedrosa)
Compra segura via Internet
www.siciliano.com.br
www.livrariasaraiva.com.br
www.livrariacultura.com.br
www.submarino.com.br

 

Comente esta matéria
Título: "Os políticos estão a sair do armário"
Seu nome:
Seu Estado:
Seu e-mail:
Comentário:
Segurança: Confirme o código:
OBS.: Nos reservamos o direito de deletar toda e qualquer mensagem contendo palavões, baixarias ou até mesmo termos homofóbicos. Favor respeitar as devidas fontes de cada matéria.
Comentários
Não há comentários.