Segunda-feira, 24 de Novembro de 2014
Adicionar a Favoritos RSS Facebook Linkedin Twitter Wordpress
   
Selecione abaixo:



Anuncie AQUI
Celebridades GLBT
ClicRN
Estadão
Folha on Line
Istoé
Jornal da Paraíba
Paradas gays - News
Portal de Picos
Portal Terra
Saúde
Ultimas Notícias
Outras notícias
Criminalização da homofobia só será discutida em 2015
Airbnb elimina anúncio de apartamento que não queria gays
Jogador gay de rugby é atacado em rua GLS de Manchester
Com apoio de pastor, homossexuais movem ação contra igreja que recusou casamento
Adeus, metrossexuais: o "lumberssexual" deixou a floresta e está na moda

Canal GLS completa 2 semanas no ar

01/12/2005: SÉRGIO RIPARDO
Editor de Ilustrada da Folha Online

O primeiro canal "pay-per-view" para o público GLS brasileiro completa duas semanas no ar nesta sexta-feira (2). Chama-se Logo TV, está disponível apenas na Sky e custa R$ 12 por seis horas semanais.

Divulgação

"Metrosexuality", série britânica exibida pela Logo TV
O Logo TV quer se diferenciar do For Man, da Globosat, que estreou no fim de março e só exibe pornografia homossexual masculina e filmes de orgias bissexuais. A programação do novo canal é light: filmes, documentários e seriados com temática gay.

Toda sexta-feira estréia um novo bloco de seis horas. O assinante pode ver essa programação por até três dias. O canal fica 24 horas no ar, em "looping" de seis horas (a programação se repete quatro vezes ao dia).

A programadora do Logo TV é a Viacom Networks Brasil, que distribui no país ainda os canais Nickelodeon, MTV Hits, Vh1, entre outros. Leia entrevista com a gerente de distribuição da Viacom, Alessandra Pontes.

Folha Online- O For Man existe desde o fim de março como um canal à la carte [R$ 35 por mês, 24 horas no ar], e não no sistema "pay-per-view" como o Logo TV [R$ 12 por seis horas semanais]. O que vocês têm de diferente do For Man?

Alessandra Pontes- O For Man é um canal erótico. Já o Logo TV é um canal de comportamento, com seriados e filmes independentes com temática gay, inéditos no Brasil --alguns com cenas mais fortes, mas sem pornografia como o For Man. O nosso conceito é novo. Foi lançado no fim de junho nos Estados Unidos. Fora dos EUA, só há no Brasil e no México.

Divulgação

"My Fabulous Gay Wedding", série de humor sobre uma união gay
Folha Online- Qual tem sido a receptividade do canal no Brasil? Há números sobre a base de assinantes?

Alessandra- O Brasil está bem aberto aos gays. São Paulo tem a maior parada do mundo. Estamos satisfeitos com os primeiros resultados. Quando completar um mês, vamos fechar os dados preliminares. Mesmo assim, já sabemos que o desempenho está acima das nossas expectativas.

Folha Online- É preciso pagar R$ 12 por seis horas de programação semanal do Logo TV. Isso não é muito caro?

Alessandra- O preço é justo. Um único filme do pay-per-view da Sky custa cerca de R$ 8. Um ingresso de cinema custa mais que isso. Estamos oferecendo seis horas semanais de filmes, documentários e seriados inéditos --uma programação que só está disponível nesse canal. Houve um investimento, uma aposta nossa nesse público. A idéia é ter no futuro um preço mensal diferenciado. Isso vai depender da repercussão do canal.

Divulgação

"Just One Time", filme sobre um bombeiro, sua noiva e outros parceiros
Folha Online- Hoje há programas e seriados voltados para o público gay em canais pagos como GNT ("Queer TV") e HBO Plus ("Queer as Folk"), mas são exibidos em geral em horários ingratos para o público, como a madrugada ou em canais fora do pacote básico, como é o caso da HBO Plus. Por que isso acontece?

Alessandra- Não posso falar pela HBO. Nossa programação pode ser vista no melhor horário pelo assinante, pois repete quatro vezes por dia, pois é gerada em "looping" e fica disponível por 72 horas. Na divulgação de nossos programas, não há restrição, pois não temos conteúdo erótico e apelo pornográfico. Quando um determinado documentário tem cenas de nu frontal, a chamada desse filme não é exibida por muito tempo, durante o dia, no canal que a Sky promove sua programação. Mas isso não tem a ver com o fato de o conteúdo ser GLS. A mesma coisa aconteceria se o conteúdo [nu frontal] fosse feminino.

 

Fonte: Folha on line

Comente esta matéria
Título: Canal GLS completa 2 semanas no ar
Seu nome:
Seu Estado:
Seu e-mail:
Comentário:
Segurança: Confirme o código:
OBS.: Nos reservamos o direito de deletar toda e qualquer mensagem contendo palavões, baixarias ou até mesmo termos homofóbicos. Favor respeitar as devidas fontes de cada matéria.
Comentários
Não há comentários.